NOTÍCIAS

Aquí pode ver as noticias e comunicados de imprensa do projeto. Para mais informações ou para solicitar uma entrevista, contacte-nos: +351 21 322 04 30 ou spea@spea.pt

Perante um estudo do Estado que comprovou que a apanha mecânica noturna da azeitona causa perturbações e morte de aves selvagens, 4 associações de olivicultores comprometeram-se a suspender esta prática já este outono. Uma declaração louvável, mas a iniciativa nesta matéria não deve estar só do lado dos produtores. A própria lei obriga a mais: é necessário parar definitivamente a apanha mecânica noturna em olivais superintensivos, o que requer uma posição firme do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). “Os resultados deste estudo só vêm comprovar o que já se previa: que a apanha noturna perturba e mata...

Esta tarde, fomos à Assembleia da República prestar declarações à Comissão de Ambiente que está a avaliar a petição para proibir em Portugal o fabrico, posse e venda de armadilhas para aves selvagens. Alguns dos deputados referiram que irão apresentar propostas para dar resposta ao pedido dos mais de 4000 cidadãos que assinaram a petição #ArmadilhasNAO. No próximo passo, a petição será discutida pela Assembleia em plenário....

Enviámos hoje ao primeiro ministro António Costa e ao presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, cartas enviadas por 15 líderes de conservação internacionais, juntamente com uma petição com mais de 40mil assinaturas de cidadãos europeus, todas com a mesma mensagem: parem o Aeroporto do Montijo. Às cartas enviadas por líderes de organizações de ambiente europeus e africanos junta-se uma escrita pelo governo da região holandesa da Frísia, e 40 mil assinaturas numa petição lançada pela BirdLife Holanda. Estes pedidos refletem a preocupação causada pelo projeto a nível internacional. A avançar, o proposto aeroporto do Montijo põe em causa aves protegidas...

Numa iniciativa conjunta, oito organizações portuguesas de defesa do ambiente levaram o governo português a tribunal, de modo a impedir o avanço do projeto de construção do Aeroporto do Montijo. SPEA, ANP/WWF Portugal, A Rocha Portugal, FAPAS, GEOTA, LPN, ZERO e Almargem, com o apoio da ONG internacional de direito ambiental ClientEarth, apresentaram uma ação administrativa no Tribunal Administrativo do círculo de Lisboa para a anulação da Declaração de Impacto Ambiental favorável emitida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA). A ação enquadra-se também no projeto LIFE Nature Guardians. As organizações argumentam que as autoridades portuguesas não ponderaram devidamente os impactos que...

No Dia Internacional da Biodiversidade, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) revela que os portugueses consideram muito importantes os crimes contra o ambiente, e que querem maior eficácia no combate a estes delitos, o que poderá passar por sentenças mais pesadas. O estudo foi realizado no âmbito do projeto LIFE Nature Guardians, que visa melhorar a eficácia do combate aos crimes contra a Natureza. Num inquérito realizado a 700 portugueses, 80% dos inquiridos considera que o governo não dá importância suficiente às questões ambientais e quase 90% considera que os crimes contra o ambiente são tão ou mais...

No Dia Internacional da Vida Selvagem, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) apela a todos os portugueses para que denunciem os delitos contra o ambiente, sob o mote “Todos somos guardiões”. O apelo surge no âmbito do projeto LIFE Nature Guardians, em que a SPEA está a trabalhar para melhorar a eficácia do combate aos crimes contra o ambiente. “A natureza não tem voz própria, não pode queixar-se, mas os crimes contra o ambiente são crimes contra todos nós, e todos temos o direito de recorrer à justiça” diz Joaquim Teodósio, coordenador do Departamento de Conservação Terrestre da...

Os crimes contra o ambiente têm consequências para todos nós: tornam-nos mais vulneráveis às alterações climáticas, põem em causa a saúde pública, e deixam-nos mais pobres. Por isso, cabe a cada um de nós ser a voz da Natureza, para que possa fazer-se justiça. Se suspeitar que está perante um crime contra o ambiente, denuncie-o e, se possível, mantenha-se na zona até que as autoridades cheguem. Se puder, documente a situação tirando fotos ou vídeo, mas não mexa em nada nem tente interferir diretamente, para sua segurança (e de animais que estejam presos) e para não inviabilizar eventuais provas incriminatórias. Saiba o...